Depoimentos

In Eneida’s homage, her dedication in 21 Tibetan Rites, she thanks the Tibetan maters who trusted her with conveying this knowledge (they choose wisely) and tells of sharing her great love with readers.  Eneida Caetano, truly is a master, internally and externally; a gift, skill, and knowledge unfortunately most people today are unaware of in their presence, their lives.  Whatever your religion or philosophy, a fundamental seed of each, is understanding the search for the holy begins with yourself as the temple of the Holy Spirit.  Mind, body, spirit, and soul.  Eneida weaves a wonderful story of her journey and lessons around wonderfully described and illustrated exercises – positions that helps to unlocks and unchain us from the bonds of “the world” and “ourselves” in order to seek the higher calling each of us have.  Highly recommended for any serious seeker of enlightenment and spirituality!  

Aprendizado… Desafio…. Autoconhecimento… Evolução… Talvez essas palavras possam significar um pouquinho da experiência deste final de semana. Na verdade, não é fácil traduzir em palavras grandes experiências! Retorno para São Paulo profundamente agradecida! Gratidão imensa Eneida! Paz e luz!

Adriana Soares

Gratidão imensa pela oportunidade de fazer o workshop 21 Ritos Tibetanos! A Eneida é uma pessoa encantadora, profissional muito experiente, sensível e competente! Sou portador de insuficiência renal crônica e a Eneida foi especialmente atenciosa com o meu caso. Tive evidências, já no dia seguinte à prática, de que os Ritos podem contribuir muitíssimo para potencialização de minha vitalidade e saúde integral, física, mental e emocional. 

Júlio César de Oliveira

Quero agradecer a Eneida a oportunidade de refazer este workshop de Ritos, estou aprendendo mais e mais e, continuarei a persistir com disciplina a minha prática diária, agora com maior assertividade e na certeza que os Ritos Tibetanos tem me feito muito bem, já percebo as significativas mudanças na minha vida.

Inara Catão

Eneida! Para mim o conhecimento puro sem ser compartilhado é estéril, sem objetivo, sem propósito! O conhecimento que você compartilha me acrescentou, me enriqueceu!  Oxalá possa eu servir de instrumento que levará um pouco daquilo que você me passou! Oxalá possa eu fazer uso na minha vida, daqui pra frente, de todos os 21 Ritos Tibetanos, para a minha saúde, física, mental, e espiritual! Vida longa a você amada mestra!

Ruth Mary

Realizo os Ritos há duas décadas
E RECOMENDO à tod@s

Me mantém VITAL 
Permitindo ter VIDA na Vida 
Nos meus 62 anos de percurso pelo nosso Planetinha AZUL

Pelo facebook

Agradeço a você Eneida pela disponibilidade em passar estes ensinamentos e registro que a experiência de fazer o curso em casa Branca me pareceu mais completa e integradora do que em BH.

M Inês Martins

A delicadeza e suavidade com as quais você transmite seus profundos conhecimentos me estimulam a persistir na prática dos ritos, consciente que estou dos seus benefícios. Meu corpo e minha alma agradecem!

Fátima Santana

Muito agradecida pelos conhecimentos e experiências vividas no curso. Pude ver e sentir a minha necessidade de trabalhar o corpo e deixar as emoções saírem e energias circularem. Quero continuar praticando, com certeza dos benefícios sempre crescentes.

Muito obrigada,

Berenice Santiago Barreto

Desde os primeiros momentos do curso, já descobri porque fui chamada. Eu em primeiro lugar. Foram dois dias de muito aprendizado. Penso que encontrarei nos Ritos Tibetanos a resposta para muitos questionamentos e aflições.

Elainne

Consegui vivenciar com desenvoltura uma situação que era difícil para mim, pois mexia com vários medos. Acredito que os ritos 1, 2 e 3 que dediquei a fazer nessa época trouxeram esse fluir. Hoje após fazer o curso notei que fui muito “mexida” interiormente, senti um relaxamento muito grande e acordei com muita vitalidade. Gratidão Eneida!

Sabrina Darck

Após a primeira aula, senti dores no corpo e um tipo de calafrio, com uma sensação de corpo febril. Me senti muito relaxada e com uma exaustão, não de cansaço, mas de corpo relaxado, entregue.

Dormi muito profundamente toda a noite e acordei por volta das 6h, porém sentido vontade de ainda dormir um pouco mais. Então dormi um pouco e tive um sonho. Estava numa sala com algumas pessoas e numa mesa, uma pessoa me mostrou um papel com uma estampa de pedras dizendo que era meu. Acordei logo depois, mais disposta e sem dores.

Pediu para omitir seu nome

Logo após o 1º dia de curso, já senti mais disposição e vitalidade. O cansaço e a sonolência se foram e abriram espaço para uma energia fluida, leve e alegre. Muita gratidão à Eneida e aos ritos.

Ana Terto

Em cada rito,

A experiência

A existência

O corpo

A mente

A alma

Abrindo possibilidades

Entendendo o ser

Tirando a ferrugem

Enxergando a luz

Azul intensa!

Equilibrando o interno

Acreditando na busca sadia

De si mesmo.

Gratidão Eneida pela oportunidade

Marisinha Guerra Lapertosa

Minha experiência foi muito positiva e prazerosa. Venho de uma situação anterior (há três meses) com uma cervicalgia muito intensa. Muita dor, principalmente ao acordar. Ontem, dia 03/02/2018, já fiquei encantada com o primeiro exercício, quando a Eneida falou que as dores na nuca, na cervical, tinha muito a ver com o controle. Entendi que estava no lugar certo, na hora certa. Propósito de Deus. Hoje, pela primeira vez, após 21 dias, acordei disposta, sem dor, sem necessidade de fazer compressa quente na cervical. Ai pensei:  – “isto foi resultado do aprendizado e das experiências de ontem nos primeiros exercícios dos ritos. “Sim, estou no caminho certo, na busca de cura, do autoconhecimento, de felicidade, de vitalidade e do amor incondicional. Gratidão Deus! Gratidão Eneida pela oportunidade.

Verônica Corrêa Lanza Guimarães

Vou sair daqui mais leve, feliz, tolerante e em busca para ser o meu melhor para mim e para o mundo.

“Amor incondicional e sofrer menos”

Gratidão: que sempre exista força dentro de ti, para que continue ajudando o mundo.

Que o universo seja justo e te traga de volta tudo aquilo que você joga a ele.

Vittória Lapertosa L. Pena

“Comecei a praticar os ritos tibetanos já faz três anos. Hoje faço diariamente todos os 21 ritos pelo menos 7 vezes. Em geral, elejo entre aqueles de que mais preciso e dos quais mais gosto de 7 a 14 ritos para repetir as 21 vezes recomendadas. Naquele período de minha vida eu estava depressiva e gastava muita energia para resolver as coisas mais banais. Meus cabelos caíam muito e ficavam brancos rapidamente, dormia mal, a memória estava precaríssima, o humor havia desaparecido e a pele estava bem ressecada. Bem-vindas as mudanças. Ganhei em qualidade de vida, bem-estar e alegria. A vida ficou mais leve e o prazer de vivê-la se renova a cada dia.”
Verônica Robalinho Cavalcant

Professora universitária, Arquiteta urbanista, 59 anos

“Recentemente, tive a oportunidade, e privilégio, de fazer aulas dos Ritos Tibetanos ministradas por Eneida Caetano, reconhecida profissional no campo das Terapias Corporais. Sob sua cuidadosa orientação, pude usufruir de exercícios que promoveram concentração, alongamento, força, foco e resiliência em um intenso, e agradável, estímulo do corpo e da mente. A qualidade e maestria do trabalho oferecido por Eneida são incontestáveis. Super recomendo!”
Liliza Mendes

Professora universitária, Artista plástic, Maio de 2018

“Quando conheci a Eneida – durante a sua visita ao Funchal –, fui surpreendida por uma alegre, calma e jovem energia que à maioria de nós, mulheres, nos começa a faltar conforme nos aproximamos da casa dos 50 anos. Uma das minhas primeiras perguntas não pode deixar de ser: “como é que você consegue?” Não me levou tempo a entender que a Eneida praticava de, facto, aquilo que divulgava, na altura “Os 21 Ritos Tibetanos”. Fiquei imediatamente fã da forma clara e simples como ela transmitia saberes milenares que muitas vezes se fecham em linguagens pouco acessíveis ao “comum dos mortais”. Sendo eu uma adepta e estudante dos princípios da Macrobiótica não posso agora deixar de congratular Eneida por esta edição de Cuidando de Mim alicerçada em culturas tradicionais que vão do ocidente ao oriente. Mais uma vez com uma abordagem sincera e sem rodeios, abre

espaço para que todas as mulheres possam valorizar e viver plenamente uma época da vida tradicionalmente considerada “dolorosa” física e emocionalmente. Com ideias de alimentos, exercícios ou rituais para corpo e mente, em pouco espaço temos aqui um manancial de conselhos a ter em conta por quem estiver interessado em viver em harmonia consigo e com os outros. Aplicar os conhecimentos aqui transmitidos é contribuir para um mundo melhor e mais consciente.

Obrigada Eneida!”

Teresa Mizon

Produtora e apresentadora de radio e TV em Portugal. Temas ligados às medicinas complementares e ecologia., Finalista do curso de Macrobiótica do IMP - Instituto de Macrobiótica de Portugal

A harmonia é algo invisível, incorpóreo e sumamente belo numa lira bem afinada, e que esta, por sua vez é corpo, como também o são as cordas” (Platão in “Fedón”).

“Na sociedade moderna, vivemos numa eterna correria. A competição no trabalho, quando o temos, é feroz; as filas de trânsito nos esgotam; as notícias e a publicidade, por todos os lados, nos massacram. Quando chegamos a casa, ao final do dia, esgotados, é o sofá que nos acolhe e ficamos pregados aos inúmeros canais de TV. Parece que temos tudo, mas pouco tempo resta para nós próprios. A vida moderna é uma lira desafinada.

Nos escritos da Eneida são surpreendentes a simplicidade e a força interior das suas mensagens. Tal como na lira, sentimos que há uma harmonia invisível e incorpórea que nos dá sentido a esta vida, tantas vezes cheia de coisas materiais e quase sempre vazia de sentido. Mas onde encontrar a harmonia para tudo isso?

Por vezes, acontece às pessoas que usam óculos procurar por eles nos cantos da casa e, depois, descobrem que os têm na própria cara. Na vida, muitas vezes, é isso que acontece. Andamos por toda parte à procura da

harmonia da nossa vida e da felicidade e, afinal, descobrimos que ela está dentro de nós.

É isto que a Eneida nos ensina: a parar, refletir, e a reservar viagens para nosso mundo interior, o qual, para a maior parte de nós, é uma floresta densa por explorar.

A Eneida nos mostra como descobrir a harmonia da lira que cada um tem dentro de si.”

João Luís Gonçalves

Magistrado e escritor, Ilha da Madeira

“Em nosso mundo ocidental agitado e imediatista, temos uma vaga ideia da sabedoria tibetana perdida entre devaneios místicos e romances de ficção. Eneida Caetano visitou a terra dos lamas e dedicou toda sua vida ao aprendizado e transmissão dessa sabedoria, que nos traz saúde física, emocional e mental. Eneida não se detém apenas na teorização das terapias, mas enfatiza sua perfeita execução prática, tendo-se tornado uma das maiores referências na área.”
Marcus Viana

Músico, Brasil

“Falar do trabalho de Eneida seria, antes de qualquer outra consideração, tratar de um competente ensino da prática de auto-estima em diferentes níveis. A experiência da autora no desenvolvimento dessa nobre habilidade começou décadas atrás, com diferentes especialidades, e amorosamente se expandiu para a formação de grupos de vivências, meditação, técnicas de relaxamento, banhos terapêuticos, consciência alimentar, lam-rim, Ritos Tibetanos; enfim, uma variada gama de práticas voltadas para o desenvolvimento do cuidado consigo próprio. Muitos desses conhecimentos transmitidos aos seus alunos foram assimilados nos países de sua origem, estando Eneida consciente de que a transmissão da sua autenticidade é preservada quando se tem o cuidado de beber diretamente na fonte. O resultado do seu trabalho se concretizou na formação de um instituto instalado numa aprazível região periférica de Belo Horizonte, o qual tem oferecido, ao longo de muitos anos, técnicas interdisciplinares de conteúdo bastante prático, arregimentando um grande grupo de praticantes, seguidores e simpatizantes, cuja nacionalidade já extrapolou as fronteiras do Brasil. De modo a beneficiar um número ainda maior de pessoas que são impossibilitadas de participar presencialmente dessas atividades, Eneida termina de editar outro livro, numa incansável missão de alcançar todos aqueles que se ocupam com o autocrescimento, de modo holístico e comprometido”
Marcelo Alvim

Engenheiro, estudioso das ciências humanas e praticante de técnicas interdisciplinares de autoconhecimento

“Aprendi, com Eneida, que podemos abrir as portas da vida a qualquer momento, independentemente da dor ou da alegria. Por meio de sua mente observadora e seus conhecimentos da sabedoria milenar tibetana, transmitidos em uma linguagem simples e objetiva, podemos usufruir de seus benefícios, adicionando-os em nosso cotidiano.
Agradeço a Eneida, as lições de fé, paz e equilíbrio, trazendo, como consequência, uma melhor qualidade de vida.”
Cláudia Lambert

Publicitária, ilustradora científica médica e botânica.

“Ao cuidarmos de nós, sem dúvidas zelamos pelo todo que nos trouxe até ao aqui e agora.
Assim é que Mestra Eneida Caetano, por meio dos rituais Tibetanos, faz com que o zelo pelo TODO, abranja a parte integrante; que conhecemos como sendo “nós”.

Ao unir estes “nós”, criamos uma imensa rede de ações coadjuvantes entre, vivências, glândulas, exercícios, práticas e respirações, na qual os elementais do ar, terra, fogo e água, se unem, dentro do corpo físico, emocional, mental e espiritual, alicerçando passo a passo, exercício a exercício, o que chamamos vida!

Quem conhece os Rituais Tibetanos, e os pratica , sabe bem o que estamos aqui prefaciando, e, sem querer assumir uma postura egóica, compreendemos que você ao ler Cuidando de Mim, cuidará também de mim que lhe escrevo, e, esta é a grande força que o trabalho de Eneida empresta ao Planeta Terra e a todos que nele vivem, em uma osmótica energia do bem , do amor e da paz.

A energia das galáxias, e de todo universo, está unida a um fator cósmico, terreno e humano, do qual vamos tomando conhecimento a cada passo em que as tecnologias avançam. No entanto, é com muita simplicidade, amor ao que faz e pratica, que esta mestra em ritos tibetanos, vai abrindo caminhos estelares, para, no seu dia a dia, aliviar a existência terrena de muitos que a conhecem e praticam os ritos tibetanos.

A ela, nossos votos de continuação em sua caminhada e nossos agradecimentos por podermos participar desta obra magnífica que lembra o quanto é importante continuar Cuidando de mim!

Afinal, só assim podemos cuidar e bem, de tudo em que acreditamos e desenvolvemos em prol da nossa própria existência e de todos a nossa volt”

Édison Pereira de Almeida

Chanceler do Instituto Brasileiro de Culturas Internacionais - Brasil - Europa. , Member of International Writers Association - E.E.U.U. Membro da Academia Pan Americana de Letras - Rio de Janeiro - Brasil. Prêmio 2010 por suas ações pela paz - Imprensa Revista Zap - São Paulo

“Vivemos em um mundo onde nossos sentidos estão ocupados e nosso corpo e nossa mente giram em um constante e caótico movimento. Simples e prático, o livro `Os 21 Ritos Tibetanos`, da Eneida, poderá ajudá-lo a encontrar o equilíbrio e a felicidade ”
Sonam Zoksang

Fotógrafo tibetano e praticante.

“Os 21 ritos são um maravilhoso recurso de crescimento e cura. Poderosos na sua simplicidade, são capazes de proporcionar grande prazer e alegria”
Virgínia Cerqueira

Dentista

“Com pinceladas cheias de cor, Eneida compartilha conosco alguns dos ricos momentos de sua estada no Tibete. Numa linguagem fluida e clara, nos presenteia com exercícios tão simples e de fácil execução, que nos surpreendem com seu poder de transformação interior, refletida numa melhora física e emocional. Com responsabilidade e dedicação, a autora nos oferece a oportunidade de conhecer e praticar os 21 ritos tibetanos, permitindo, assim, que ‘o milagre’ se processe em cada um de nós”
Rosana Deslandes

Produtora Cultural

“Em uma sociedade marcada pelo descaso com nossos semelhantes, a melhor forma de mudança passa, necessariamente, pela educação e pelo autoconhecimento. Os ritos tibetanos mostram como podemos, de uma maneira simples e efetiva, começar por nós mesmos este processo de transformação. Na descrição clara e objetiva mostrada neste livro, encontramos, através da milenar sabedoria oriental, um dos caminhos para um mundo ético e com pessoas mais felizes”
Natham Ribeiro Martins

Psicólogo

“Há uma profundidade e uma amplitude nos 21 RITOS TIBETANOS ainda não totalmente compreendidas e que somente a experiência pessoal pode confirmar. É um sistema diferente, baseado numa filosofia de vida, na qual o nosso empenho pessoal, determinação, força de vontade e, sobretudo, a compreensão de que há uma energia vital básica no corpo humano, responsável pela manutenção da saúde, resultam na transformação e no despertar de uma nova consciência.

Este livro é um manual prático, escrito por quem já esteve entre os mestres tibetanos e pôde obter, da fonte, toda a vivência e sabedoria, trazendo uma nova luz aos estudos sobre o processo de cura através dos exercícios com o corpo.

Embora essa abordagem possa surpreender alguns pontos de vista ortodoxos, seu mérito final fica comprovado pela eficácia dos resultados na prevenção de doenças e males físicos, desbloqueio de energia e clareza mental.

Escrevendo de maneira simples, direta e franca, a autora explica a prática de maneira fácil, passo a passo, de modo que possa ser imediatamente experimentada pela maioria das pessoas. Este livro notável traz ritos que proporcionam bem-estar físico, mental e emocional e são surpreendentemente fáceis de serem seguidos e incluídos em nosso dia a dia. O que o torna ainda

mais valioso é o fato de apresentar a prática dos ritos e a forma de realizá-los com um mínimo de exposição teórica.

Eneida fala com a autoridade de quem, há mais de vinte anos, se dedica ao estudo e prática das “ciências tibetanas” e outros assuntos correlatos, tendo sido, ainda, pioneira na apresentação da terapia LAM RIM no Brasil. Além de sua capacidade como professora e habilidade com os ritos e banhos com ervas medicinais, alia seu profundo conhecimento à sua bondade em relação ao semelhante e à vontade de que as pessoas possam descobrir a simplicidade de serem saudáveis, felizes, de terem alegria de viver com equilíbrio e harmonia.

A forma como nos conhecemos comprova, mais uma vez, que atraímos no Universo aquilo que acreditamos, precisamos e merecemos. Há dez anos como professora de yoga, percebo como os praticantes, digo, ocidentais, são ansiosos por novidades, querem sempre consumir coisas novas, diferentemente dos orientais, que permanecem décadas praticando os mesmos ritos. Assim que soube do curso de LAM RIM, prontamente me interessei, pois vinha ao encontro do meu desejo de oferecer aos meus alunos “aquela novidade” e expandir meu conhecimento sobre a cura e a prevenção através dos movimentos com o corpo.

Durante o curso de LAM RIM, que durou doze meses, Eneida falava sobre os 21 RITOS TIBETANOS. A turma, então, começou a insistir para que ela publicasse, o mais rápido possível, algum trabalho sobre eles. O sentimento geral era de que um conhecimento como esse não poderia ficar guardado, nem esquecido. Tamanho foi o entusiasmo, que grupos de alunos se revezaram nos fins de semana para ler os rascunhos, praticar e fazer as possíveis correções, para garantir que as instruções dos ritos pudessem ser bem compreendidas pelos futuros leitores.

Nesse clima, ao ser convidada para escrever estas linhas, aceitei imediatamente, tomada por algumas emoções. Alegre e honrada, por ter sido escolhida entre tantas pessoas especiais com as quais ela convive. Orgulhosa, por participar de um evento tão grandioso para a humanidade. Este livro, ouso dizer, poderá tornar-se revolucionário, no que se refere aos cuidados com a saúde.

Após ter me beneficiado tremendamente com os efeitos da prática dos 21 RITOS TIBETANOS, endosso totalmente essa técnica, que considero uma bênção, uma dádiva divina para a humanidade.

Possam os ritos ser uma graça para vocês, assim como o foram para mim. Que, através deles, vocês possam experimentar a alegria de uma vida plena, saudável e feliz. E, com este instrumento em mãos, isso dependerá fundamentalmente de cada um.”

Cristina Bombonato

Professora de Yoga

“A afirmação de que comportamento e emoções pudessem afetar a saúde era vista com grande desconfiança pelos cientistas médicos. Nos anos 90, a revista New England Journal of Medicine caracterizava essa ideia como “folclore”.

A ciência da neurofisiologia vem evoluindo e mostrando que a área límbica do cérebro (o assento fisiológico das emoções) se relaciona com estados emocionais profundos e envolve a região denominada hipotálamo, que frequentemente vem sendo chamado de “cérebro do cérebro”. É responsável pela regulação da temperatura, sede, fome, de níveis plasmáticos de glicose, crescimento, sono e despertar e emoções como medo e felicidade.

Um nível abaixo do hipotálamo situa-se a glândula pituitária ou hipófise, glândula mestre do corpo, que despeja, em doses ínfimas, secreções que controlam a atividade de grande parte do sistema endócrino.

Esses três elementos – área límbica, hipotálamo e hipófise – formam o sistema límbico, sensível à variação de qualquer estado emocional e capaz de produzir misturas de moléculas que transformam por completo a estrutura do corpo. Através da ação do sistema límbico, estados emocionais e psicológicos particulare

Ao assistir a um filme de ação, por exemplo, é possível perceber um “frio no estômago” e “palmas das mãos úmidas”. Mensageiros específicos foram liberados pela hipófise. O corpo mudou com o que era visto em uma tela. E as emoções despertadas pelo filme correlacionavam-se com a atividade mensurada do sistema límbico.

A humanidade se depara com a necessidade de escolher o filme a que vai assistir. A afirmação “criar um mundo ao nosso redor” deixou de ter um tom esotérico e passou a ser objetiva, científica e real. As pesquisas nessa área continuam em ritmo intenso no despertar deste milênio.

Os fatos econômicos resultantes da adoção de práticas, anteriormente denominadas “alternativas” no âmbito da saúde pública, já podem ser comprovados. Um estudo publicado na revista Psychosomatic Medicine (Orme- Johnson 1987) abordou 2.000 pessoas praticantes de meditações. Um número semelhante de indivíduos fez o grupo controle, pareados um a um por idade, nível educacional e profissão, entre outras variáveis. O resultado final é que, comparado ao grupo controle, o grupo de meditações apresentou uma taxa de visitas hospitalares 56% inferior. Centenas de estudos em andamento ao redor do mundo falam sobre os mesmos fatos e, ainda, da importante redução dos gastos hospitalares em até 60% dos previstos pelo orçamento.

Um livro como este, escrito por Eneida Caetano, uma estudiosa e praticante dos ritos tibetanos, alegra e ventila o ambiente da saúde com os ventos inspiradores do Himalaia. Uma prática adotada por pessoas extremamente simples, repetida e transmitida de pai para filho há milhares de anos. Tão simples como este povo – uma das mais baixas rendas per capita do planeta. Pronta para ser adotada pelo sistema único de saúde, bastando, para tanto, que as autoridades de saúde despertem para o tema.

Em nome da classe médica, agradeço e dou as boas-vindas a este tão simples manual, que possa se unir às novas tendências de alimentação, fitoterapia, práticas cotidianas

hindus, homeopatia, entre outras, e constar de um grande programa de saúde em medicina integrativa.”

“A coroa da sabedoria fará com que a paz e a saúde perfeita possam florescer.”

Dr. Alberto Peribanez Gonzalez

Professor de Fisiologia Cardiovascular, Respiratória e Neurofisiologia do curso de Medicina e coordenador do projeto científico Oficina de Alimentos Funcionais, “Oficina da Semente” e do curso de extensão “Bases Fisiológicas da Terapêutica Natural e Alimentação Viva”, Universidade Estácio de Sá, RJ; autor do livro “Lugar de Médico é na Cozinha”

“Os Ritos Tibetanos possuem um significado que integra conceitos importantes para o ser humano: disciplina, autoconsciência, simplicidade, vitalização, entre outros. A constante busca pela felicidade nos colocou, paradoxalmente, distante desses conceitos. A troca do “ser” pelo “ter” nos trouxe inúmeros problemas, tanto sociais (aumento da violência, corrupção, educação e sistema de saúde, ineficientes, aumento da pobreza, etc.), quanto pessoais (depressão, insônia, irritabilidade, incapacidade de relacionar-se, etc.).

Uma forma fácil e acessível que Eneida, neste belo trabalho, nos traz, para ajudar-nos a recuperar e voltarmos ao nosso norte, é a prática dos Ritos Tibetanos. Um manual onde aprendemos de uma maneira organizada e fluida sobre esta milenar prática adotada por um povo desprezado pela subdesenvolvida economia, mas que possui uma estrutura que ultrapassa conceitos acadêmicos e que se sobressai em comportamentos muito mais importantes, como a espiritualidade e a ética cotidiana.

Espero que os que utilizarem estas informações consigam levar, para si e a quem os procurar, todos os benefícios dos Ritos Tibetanos e dos outros cuidados simples para o cotidiano.”

Natham Ribeiro Martins

Psicólogo

“Minha Viagem até o Tibete: de dentro pra fora e de fora pra dentro” descreve a trajetória pessoal e profissional de Eneida Caetano, expoente brasileira das técnicas tibetanas de prevenção, cura de doenças e de comportamento.

A autora tem o mérito de reunir numa mesma obra, além do seu processo de autoconhecimento, parte da história e cultura do Tibete. O livro vem enriquecer o

debate sobre a forma com que os tibetanos lidam com a complexidade de seu país pós-invasão chinesa. O apoio à luta pela libertação do Tibete é demonstrado ao longo de toda a narração.

Eneida Caetano destaca-se como a autora que, ao refletir sobre o Tibete e seu sentido no mundo em que vivemos, insere os valores experienciados pelos tibetanos no centro dos debates contemporâneos, como uma tentativa de resgatar um humanismo presente no país, antes de ser ocupado pela China.

É interessante como ao longo do livro Eneida consegue dar visibilidade ao caminho percorrido, de dentro para fora e de fora para dentro, até chegar ao Tibete. O primeiro passo foi o reconhecimento de alguns momentos difíceis, quando ela enfrentou períodos de provações e teve a oportunidade de colocar em prática os valores de desapego e não violência, além de vivenciar a impermanência tão difundida pelos tibetanos. O segundo, foi identificar os momentos mais significativos de deleite com a natureza e a cultura, com o povo e a espiritualidade. O terceiro, foi reconhecer e abraçar as situações de silêncio e meditação como âncora para compreender tanto as adversidades como as bênçãos recebidas e manter-se em harmonia consigo mesma e com os outros.

As fontes que a autora utilizou para escrever o livro foram a sua agenda, companheira de viagem, e sua memória que, após tantos anos, pôde ressignificar sua experiência vivida. É interessante notar, que Eneida não utilizou uma metodologia estabelecida a priori para escrever sua obra, mas ela foi sendo construída seguindo uma linha cronológica, priorizando os fatos e sentimentos mais significativos, além de destacar pessoas e mestres que iluminaram seu caminho.

A narrativa inicia-se em São Francisco-MG, sua cidade natal, onde o sonho de conhecer o “País das Neves” foi sendo gestado nas águas do sertão mineiro, juntamente com questionamentos existenciais incomuns nas crianças. Seu espírito inquieto sabia que as respostas estavam do seu lado de dentro e que, quanto mais se conhecesse, mais facilmente as encontraria.

Em 1985, Eneida foi à Holanda para ampliar e aprofundar sua prática profissional, como terapeuta corporal, e o seu desejo de ir ao Tibete foi estimulado por um mestre tibetano refugiado nos arredores de Amsterdam. Além de transmitir-lhe os 21 Ritos Tibetanos e a terapia lam rim, até então pouco difundidos fora do Tibete, o Mestre

pediu à Eneida para propagar esse conhecimento milenar no Ocidente. Essa missão alcançou o seu ápice quando Eneida publicou seu primeiro livro, “Os 21 Ritos Tibetanos”, em 2007.

De volta ao Brasil, a autora apoderou-se desse conhecimento, e ainda hoje dedica-se incansavelmente às práticas tibetanas, que passaram a fazer parte do seu atendimento profissional e de sua vida cotidiana. Após terem se passado nove anos desde sua viagem à Holanda, Eneida sentiu que o momento de realizar o sonho de ir ao Tibete havia chegado.

Assim, ela partiu rumo ao desconhecido, onde permaneceu por seis meses. Passou pela Rússia, Indonésia, Singapura, Malásia, Tailândia, Índia e Nepal, até chegar a Lhasa, a antiga capital do Tibete, e atualmente a capital administrativa da Região Autônoma do Tibete, na República Popular da China.

Eneida teve a chance de conhecer e frequentar os templos sagrados budistas, fazendo prolongados retiros de silêncio, praticando meditação e os 21 Ritos Tibetanos em quase todos os países que visitou. Ela aprendeu novas técnicas terapêuticas, visitou os campos de refugiados tibetanos e teve contato direto com esses exilados.

A autora contemplou a beleza das mais altas montanhas do Himalaya, percorrendo suas trilhas e acampando. Conheceu belíssimos Parques Nacionais, fez caminhadas e peregrinações religiosas. Teve a oportunidade de conhecer os lugares mais sagrados do Tibete e experimentar o fervor religioso dos tibetanos, sua cultura e seus costumes seculares, que ainda persistem, mesmo em um mundo moderno e tecnológico.

Ao longo de sua viagem, por várias vezes, Eneida recebeu recomendações para ir ao encontro do Mestre do Deserto e, não podendo mais adiar aquele momento, ela partiu em sua direção, escalando por dias a Cordilheira do Himalaia e enfrentando muitas adversidades até se encontrar com ele.

A partir do momento em que, finalmente, o encontrou, Eneida compreendeu o verdadeiro sentido de viajar de dentro para fora e de fora para dentro. Com este livro, ela partilha sua vivência e seu conhecimento com você, leitor.”

Bernadeth Maria Pereira

Doutora em Educação pela Unicamp - Campinas/SP; Mestra e Especialista em Psicopedagogia da Educação pela Universidad de La Habana-Cuba; Especialista em Língua Inglesa pela PUC-Minas; Graduada em Português, Inglês e suas literaturas pela UFMG-MG; Pesquisadora do Grupo de Estudo e Pesquisa em Diferenciação Sociocultural -. GEPEDISC –Faculdade de Educação – Unicamp; Professora. aposentada pelo CEFET-MG; Praticante de yoga e meditação.

“Há alguns anos, tive notícias do trabalho terapêutico desenvolvido por Eneida. Muito interessante, muito sério e muito bom. E muito eficaz também, me disseram. Na época não pude me aproximar. O que fiz somente em princípios de 2013. E desde então, fazendo sessões semanais, estou encantada. E tenho sentido os resultados altamente positivos. Sob o seu jeitinho alegre e calmo, existe uma formidável energia e um formidável conhecimento dos saberes e práticas tibetanas e da filosofia budista. Eneida foi buscá-los in loco, nas montanhas do Tibet. Fez cursos na Holanda, tornou-se uma estudiosa do assunto e conseguiu condensá-los em vivências e práticas voltadas para o autoconhecimento, o cuidado consigo mesmo e a busca do equilíbrio do ser como um todo. E mais: colocou todo esse conhecimento à disposição dos interessados, na prática terapêutica fundada, sobretudo, na aplicação do Lam-Rim, dos Ritos Tibetanos e dos banhos medicinais.

Nesse nosso mundo ocidental, comandado pelos interesses do capital, as pessoas se tornam agitadas, fundamentalmente consumistas, imediatistas e altamente individualistas. Presas ao ter, às aparências, ao prazer imediato, ao espetáculo, esquecem os valores fundamentais da pessoa humana; e, imersas em seus traumas, são incapazes de amarem a si mesmas e ao próximo; de serem solidárias e viverem a caridade como a maior de todas as virtudes. Dificilmente alcançam o equilíbrio necessário à alegria de viver e a uma qualidade de vida que as torne pessoas humanas plenas, emocional e mentalmente equilibradas, espiritualmente maduras.

O fazer terapêutico desenvolvido por Eneida possibilita um mergulho no mais profundo de nós mesmos. Técnica milenar de relaxamento, desintoxicação e equilíbrio, a terapia Lam-Rim e os 21 Ritos Tibetanos, centrados na unidade corpo-alma, trabalham as marcas registradas no corpo pela história de vida de cada um e, consequentemente, no psíquico, nas atitudes, no comportamento, no mental e no emocional de cada ser. Ajudam-nos a desvendar os nossos desvios e distorções, a entender as nossas dores e as nossas doenças, a recuperar a nossa essência e o nosso equilíbrio. Vale a pena.

Por tudo isso, obrigada, Eneida”

Nair Costa Muls

Doutora em Sociologia, professora aposentada da FAFICH/UFMG, pesquisadora.

“É com imensa alegria e gratidão que apresento esta bela obra organizada por Eneida Caetano. Conheci Eneida em um evento que organizei pelo Centro de Cultura Tibetana na cidade de Florianópolis. Ao encontrá-la pela primeira vez, percebi que havia um brilho em seu olhar, algo magnetizador que fez com que eu me apaixonasse instantaneamente por este ser. Eneida, com sua bondade, serenidade, abrilhantou o evento com sua presença jovial. Percebi em seu corpo e sua energia a presença deste trabalho que ela desenvolve durante anos com os 21 ritos tibetanos. Falar dos 21 ritos tibetanos não basta: devemos vivê-los. E percebo que Eneida vive a potência de cada rito em sua vida diária.

Os ritos são técnicas dos povos ancestrais do Tibete e nos ajudam na busca pela grande saúde. Quando falo da grande saúde, refiro-me ao contexto amplo do ser, ou seja, viver a potência máxima do encontro consigo em ressonância com o mundo circundante.

Esses ritos são um generoso presente que nos foram oferecidos por este sábio povo do Himalaia. Em tempos de degenerescência, no qual estamos vivenciando o aceleramento constante de tudo o que nos cerca, nossos centros energéticos se desequilibram facilmente. Com os exercícios dos ritos na vida cotidiana, estes centros vão sendo reequilibrados, desacelerados, criando com-tato maior com nosso ser interno, resultando em contentamento, saúde física e mais presença na vida.

Conforme as pesquisadoras Kelly, Josenilda, Letícia e Roberta apresentam na monografia “Ritos Tibetanos como Terapia Alternativa para a Mulher no Climatério”, que Eneida cita abaixo, 56 % da população brasileira é do sexo feminino; portanto, a entrada no período de maturação orgânica da mulher, o climatério, deve ser contemplado e olhado com mais carinho. Como nesse período de vida as mulheres passam por diversas alterações somáticas, psicossomáticas e psicológicas, os ritos podem trazer o conforto tão importante do viver o feminino. Poucas obras sobre este tema estão disponíveis em nossa sociedade, o que torna este material de profundo benefício, não só para as mulheres no período do climatério, mas para todos aqueles que buscam mais equilíbrio e contentamento na vida.

Recebamos esta obra como um presente ofertado pela sabedoria do povo tibetano, passado pelas mãos de Eneida para todos nós. Que este material seja de grande benefício aos seres e que juntos possamos viver e saborear a plenitude de uma vida mais equilibrada.

Agradeço a oportunidade de estar escrevendo estas breves palavras e apresentando este belo material.”

Cerys Tramontini

Presidente do Centro de Cultura Tibetana e educadora sobre assuntos de cultura de paz

Obs: Deixamos de adicionar depoimentos aqui para concentrar somente no Instagram através do @ritostibetanoseneida. Continue acompanhando.